Acordo coletivo de trabalho: importância para aprimorar relações de trabalho na empresa

BlogPosts
Nenhum comentário

A reforma trabalhista de 2017 introduziu novas possibilidades para a celebração do acordo coletivo de trabalho entre empregadores e empregados. As mudanças fizeram com que esse tipo de acerto passasse a ter prevalência sobre a lei. Com isso, as relações de trabalho foram modernizadas e flexibilizadas. 

O acordo coletivo de trabalho é o ato jurídico firmado por meio de um processo de negociação pacífica que intermedia os interesses de empregados e empresas. Nele, os sindicatos ficam responsáveis por negociar com a companhia as solicitações dos funcionários. Ambos chegam a um consenso em relação às regras que incidem sobre as relações de trabalho, criando direitos e deveres para as duas partes. 

O acordo coletivo de trabalho na reforma

A celebração do acordo coletivo continua amparada pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e pela Constituição Federal. Antes, contudo, ele só tinha validade jurídica se beneficiasse mais os trabalhadores do que as empresas. Além disso, acertos individuais não eram reconhecidos pela Justiça. 

Entenda o que são os acordos trabalhistas coletivos ou individuais

A reforma alterou esse cenário, validando os acordos individuais e fazendo tanto eles quanto os coletivos prevalecerem sobre as normas legisladas. A fim de preservar os direitos dos empregados, o artigo da CLT que determina a troca ou compensação das cláusulas acordadas foi mantido. Além disso, foram criadas diretrizes para as negociações. São exemplos:

Do que pode ser negociado

  • Pacto quanto à jornada de trabalho;
  • Banco de horas anual;
  • Intervalo intrajornada;
  • Melhores condições de trabalho;, de alimentação, entre outros.

Do que não pode ser negociado

Direitos garantidos pela Constituição Federal não podem ser tirados do empregado, como:

  • Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS);
  • Salário mínimo;
  • Descanso semanal remunerado;
  • Seguro-desemprego;
  • 13º salário;
  • Licenças maternidade e paternidade;
  • Liberdade de associação profissional ou sindical;
  • Direito à greve, entre outros.

O que muda com a reforma trabalhista: principais definições da nova legislação

Flexibilidade nas relações de trabalho

As novas regras para o acordo coletivo de trabalho abriram à negociação situações que antes não eram possíveis de serem acordadas. Isso trouxe benefícios para empresas e empregados. Com a possibilidade de definir entre si muitas das regras do jogo, sem ferir direitos mínimos previstos na lei e mediante concessões mútuas, as partes podem ajustar as relações de trabalho segundo suas necessidades e interesses. 

O acordo coletivo de trabalho é, portanto, um importante instrumento de flexibilidade que suprime a lacuna entre o que não está diretamente previsto na lei e o que também não pode ser contemplado em contrato individual. 

Gostou deste conteúdo e quer ficar de olho em todas as novidades? Assine a nossa newsletter.

O conteúdo oferecido faz parte da Academia MOL.

Siga a gente no Instagram, LinkedIn e Facebook. 

, , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Posts Recentes

Menu