fbpx
A Inovação e a Tecnologia aliados à advocacia corporativa

A Inovação e a Tecnologia como Aliados da Advocacia Corporativa

BlogPosts
Nenhum comentário

A Advocacia é uma das atividades e profissões mais antigas e tradicionais, mas também uma das mais conservadoras. Como em tudo na vida, nessa questão existem prós e contras, ou características e consequências que ajudam – ou que não ajudam. Compreender de fato esse cenário, e adaptar-se à nova realidade que vivemos, com a presença da inovação e a tecnologia em nossas vidas e profissões, pode ser um desafio para os mais apegados ao “sempre foi assim”.

Uma das profissões mais lindas e apaixonantes tem precisado de uma enorme “reinvenção”. Muito do que “sabíamos” sobre a advocacia está sendo alterado pela inovação e pela tecnologia (na advocacia e na vida), e de forma muito mais profunda e rápida do que antes – gerando a necessidade urgente de adaptação. E mais ainda no campo corporativo.

Quebrando paradigmas

Costumeiramente, as possíveis resistências estão mais baseadas na mentalidade tradicional e por vezes “presa ao passado”, do que no que realmente ocorre. Por vezes, há um “medo” apenas pela novidade ou mudança. Se esse “mundo” assusta e desafia a alguns, pode e precisa ser percebido como oportunidade (e aliado) para a maioria dos advogados corporativos.

O mesmo precisa ocorrer com os empresários e com os executivos que com os advogados corporativos se relacionam, para que todos entendamos o que já está entre nós. E aprendamos mais e mais sobre esse tema, e (sobre) como lidar com ele.

Como é um fato, o caminho é necessariamente a aceitação e a adaptação, mas ir além é o verdadeiro “ideal”. Procuremos encarar a realidade como natural e excelente. É uma oportunidade!

A inovação e tecnologia como aliados

Vejamos a inovação e a tecnologia como apoio, como parceiros/aliados, que nos ajudam não apenas a ganhar em rapidez, e em precisão, nos assuntos e nas tarefas mais repetitivos e “braçais”, como são (também) importantes fatores de economia do nosso tempo.

Já é preciso reconhecer que a memória puramente técnica das pessoas tem menos recursos (e capacidade) do que “as máquinas e os robôs”, e que a tecnologia traz informação muito mais atualizada e ampla.

Os “buscadores de informação” (como legislação, jurisprudência, precedentes em geral, modelos, padrões e pareceres), assim como a jurimetria, já são muito mais rápidos, eficazes, precisos e baratos do que nós.

Temos (então) que refletir de fato sobre o tema e rever “certezas”, assim como mentalidade e práticas, processos e procedimentos, fluxos, tarefas, numa clara parceria com as inovações tecnológicas 360º.

Leia também: A Inovação e a Criatividade são Primordiais no Mundo Corporativo Moderno

Construindo um novo cenário

Buscas, informações, possíveis acordos e as formas alternativas de solução de disputas podem ser baseadas nesse novo cenário, com ganhos e vantagens em muitos casos. Permitindo, por exemplo, que nos dediquemos com muito mais tempo e atenção aos demais.

Assim como em nossa vida, precisamos de muito tempo e maturidade para abandonar as certezas; e aprender que são as questões/as perguntas, assim como o inconformismo com o “velho” que movem o mundo.

Há bastante tempo se reconheceu (por exemplo) a utilidade dos computadores, inicialmente como processadores de texto; depois vieram as planilhas, os modelos, os cálculos, as ferramentas de comunicação e de busca/pesquisa, e tantos outros usos e aplicações.

O advogado será substituído e “derrotado” pela tecnologia e a automação? Talvez! Mas “depende”.

Se entendermos essa questão com o enfoque apenas tradicional, repetitivo e técnico sim, mas não ainda no tocante a efetiva sabedoria, experiência e “horas de voo”. O dilema e o “medo” me parece ultrapassado e irreal. Ajustemo-nos!

Inovação não se resume ao que muitos chamam de “tecnologia”, nem a automação, e nem mesmo inteligência artificial. Inovação pode (e precisa) ocorrer em tudo.

Na forma de encararmos os desafios da advocacia corporativa, na relação com as pessoas, na forma de fazermos parcerias, na nossa postura na profissão e em reuniões ou consultas – em tudo!

Se a máquina nos vence (e vence mesmo) no aspecto tecnológico, foquemos no que for humano, e no que ainda podemos (e devemos) fazer melhor e com mais segurança.

Conclusão

O mundo contemporâneo (especialmente corporativo) está “cobrando” mais e mais a inteligência emocional, e os “soft skills”, o que exige cuidado com posturas e comportamentos, empatia, resiliência e adaptação. Ou seja, são esses aspectos humanos que precisam receber nossa maior atenção e foco.

Justamente o que a “máquina” ainda não faz é que precisamos descobrir e utilizar a nosso favor (assim como em favor das empresas e da sociedade em geral).

As inovações tecnológicas sempre existiram e existirão, e influenciam e ajudam muito o âmbito jurídico. Percebamos e nos utilizemos disso.

Conheça mais sobre o tema, sobre a excelência na advocacia corporativa contemporânea, e a moderna gestão estratégica dos departamentos jurídicos nas empresas – e venha conosco apoiar a busca pela inovação, por melhores práticas, e por melhores resultados.

É importante, e é também o caminho para “o sucesso”.

Biografia do Autor

Leonardo Barém Leite é advogado em São Paulo, especializado em negócios e em advocacia corporativa, sócio sênior da área empresarial de Almeida Advogados, com foco em contratos e projetos, societário, governança corporativa, “Compliance”, fusões e aquisições (M&A), “joint ventures”, mercado de capitais, propriedade intelectual, estratégia de negócios, infraestrutura e atividades reguladas.

Formado em Direito pela Universidade de São Paulo (“São Francisco”) com especialização em direito empresarial, pós graduado em administração e em economia de empresas pela EAESP-FGV/SP, bem como em Gestão de Serviços Jurídicos pela mesma instituição. Pós-graduado em “Law & Economics” pela Escola de Direito da FGV/SP, especializado em Direito Empresarial pela Escola Paulista da Magistratura (EPM) e em Conselho de Administração pelo IBGC/SP. Mestre em “Direito Norte Americano e em Jurisprudência Comparada” pela “New York University School of Law” (NYU/EUA).

É membro de diversos conselhos de instituições brasileiras e internacionais, autor de diversas obras sobre gestão jurídica estratégica e direito empresarial, professor em cursos de pós-graduação. Integra várias comissões e comitês de advocacia corporativa em São Paulo e em outros estados.

É professor em cursos de especialização em Gestão Estratégica de Departamentos Jurídicos de Empresas na FIA e na FAAP, em São Paulo, e autor de livros sobre o assunto. Foi sócio do escritório Demarest e Almeida – Advogados onde atuou por mais de 20 anos, e também advogado estrangeiro no escritório Sullivan & Cromwell em NY e na Europa nos anos 1990.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Posts Recentes

Menu